Breakfast at Tiffanys


E pensamos que tudo é tão fácil
outubro 10, 2008, 8:01 pm
Filed under: É sério | Tags: ,

Então…

Queria complementar um racioncínio que ficou aberto no post E o Rock Morreu.

Falando na avalanche de (pseudo)informação que temos hoje e a “facilidade” de estar por dentro de tudo de uma forma geral.

Considero esta concepção bastante falsa. Classificamos a internet como um meio de obtenção simples e rápido de informação. Mentira. Claro que há o lado positivo. Mas não é dele que quero falar agora.

Tente fazer uma pesquisa decente, séria, com fontes confiáveis e verá a enorme quantidade de lixo que temos na rede. Diria que 99% do que circula em nossos PCs é pura perda de tempo. São páginas e páginas de informações não checadas, de copia aqui para colar lá. O tal li na internet, então é verdade

Já ouviram falar da Coca-Cola com Mentos? E das agulhas contaminadas com vírus HIV nos cinemas? Dos ganhos da Microsoft? Da criancinha desaparecida lá no raio que o parta? Do bonsai de gatinhos? Puras teorias da conspiração.

Sites e blogs fakes, informais, feitos sem profissionalismo por quem procura uma maneira rápida de encher o bolso inundam o google e se oferecem, como uma prostituta barata prometendo diversão rápida e fácil por míseros trocados do seu tempo.

E nem os grandes portais escapam…Na ânsia de noticiar primeiro, não há checagem de fonte, de informação. Não há cuidado básico com o texto, com investigação, reportagem. É a morte anunciada do jornalismo.

Some-se a isto uma geração que vive de Lan House em Lan House, com mil atividades virtuais e que não quer perder tempo com nada, tem preguiça de analisar, pois acostumou-se a copiar e colar e abusar do mixuguês em conversas banais no MSN, comentários maldosos e espancamentos verbais em comunidades, fóruns e blogs.

O resultado é o fim da pesquisa escolar, as cópias descaradas de trabalhos acadêmicos, o comodismo, a perda da capacidade de raciocínio. Quando tudo é muito fácil, é mais fácil ainda não valorizar o que se tem. Nem fazer por merecer.

Desculpem a falta de contemporanismo, mas não há nada como um livro e uma biblioteca para o melhor aprendizado. Sem busca, não há compensação, valorização. Penso, logo existo.

Se a internet facilita a diversão, está também tirando a graça dela. Eu mesma não me disponho a ir ao cinema e sinto falta de esperar um filme ser lançado oficialmente, da expectativa de não saber o fim daquele seriado que gosto. De garimpar nas lojas especializadas informações checadas de músicos que gosto. 

Poderia não me render. Mas quem consegue?    

Acho atormentador ver uma geração que não sabe o que é viver sem a rede: sem motivação, sem aptidão, acomodada, presunçosa e um tanto arrogante (claro que falo de maneira geral, há muitos jovens que não se encaixam neste perfil) dissertando sobre o nada, ofendendo meio mundo para disfarçar a falta de paixão e a ausência de rebeldia. Nao há uma causa.

Achamos que sabemos de tudo e opinamos constantemente sem conhecimento de causa. Falamos tanta bobagem. Provocamos e somos provocados. Mas do muito que se diz, pouco se sabe.

Claro que culpar a internet é simplista. Há algo mais profundo por trás disto tudo, há uma falência social, um descrédito na vida que nem saberia por onde começar explicar, mas não podemos negar que a rede tem sido um catalizador deste diagnóstico. Só que não sou socióloga. Me exliquem, quem souber.

 

Prometo que ainda faço um post com o lado positivo. Como tudo na vida, sempre tem como aproveitar. Basta saber usar…

Anúncios

2 Comentários so far
Deixe um comentário

Karen, agora, fiquei em dia com o seu blog. Comentei em todos os posts. Mas vamos ao que interessa.
Primeiramente, quero agradecer pelas suas palavras para o meu aniversário. Muito obrigada mesmo.

Quanto ao seu post, concordo com o que você disse. Felizmente, sou a última geração de adolescente sem Interent. Há pouco mais de cinco anos não era essa doença que hoje se instalou na sociedade. Mas a minha geração não fugiu da imbecilidade. Muito pelo contrário.

Queria ter as respostas para isso, mas não tenho. Na verdade, queria fazer algo para mudar a educação e a cultura desse país. Entretanto, o que faço é muito pouco perto do problema da nossa sociedade…

Beijos

Comentário por Mari

Holly, minha queridonaaaaaaaaaaaaaa!
=D
Tô passando só p deixar um oi e prometo q volto p comentar com a calma e o respeito q vc merece.
^.^
Bjos*** no coração!!!

Comentário por Tatyan




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: