Breakfast at Tiffanys


Bando de louco
julho 22, 2008, 7:35 pm
Filed under: É da fiel
Embora tenha sido postado em 2006 também, este artigo tem origem bem mais antiga. É, na verdade, um projeto de prefácio de um projeto de livro que tenho engavetado há anos. 
Mudei o título e tentei deixá-lo menos pontual e mais atemporal.

Fui gerada em uma pensão próxima à Vila Belmiro. Era década de 70 e meu pai costumava arrastar minha mãe para assistir Pelé e companhia defendendo sua grande paixão, o Santo Futebol Clube.
Acho que desde aquela época me questiono sobre os motivos que levam as pessoas a perderem a noção do sensato quando se trata de futebol. Por que se tornam tão emocionais e irracionais quando seu time está em campo?
Em casa, o aparelho eletrônico mais usado era o radinho de pilha. Companheiro inseparável de meu pai, via o sendo levado para o banheiro na hora do banho, quando chegava do trabalho, para que pudesse ouvir as notícias do time. Via o colado em sua orelha em noites comuns, em jogos sem importância…Cara de poucos amigos, olhos perdidos no nada davam o sinal de que o Santos estava jogando. Minha mãe garante saber se o Santos está ganhando ou perdendo só de ouvir sua respiração…
Ele ouve rádios de Santos – moramos no ABC – para saber de notícias quentes. Como ele consegue distinguir notícias no meio do insuportável chiado gerado pela distância de transmissão ninguém sabe!
Assim foi e assim continua sendo. Mas o DNA problemático não pára por ai. Minha mãe, hoje bem mais controlada, é tão emocionalmente palmeirense que não consegue assistir aos jogos. Fica só com sua angústia, fechada no quarto e atenta aos fogos para saber se saiu gol, esperando que alguém avise que já terminou. Nem sempre resiste. Quando o Palmeiras venceu a Libertadores, entrei no quarto para dar a boa notícia e a peguei já assistindo pela TV, e às lágrimas!!!
Meu irmão herdou o amor pelo Santos e o leva tão a sério quanto meu pai, porém bem mais descontrolado. Chuta a parede, se descabela, fala milhões de palavrões. É um laço forte entre os dois, que até causa certa inveja, uma espécie de pacto sagrado irredutível….
Ele frequenta assiduamente a Vila Belmiro. Já esteve mais feliz e teve paciência de um monge. Na final do Campeonato Brasileiro de 2002, quando o peixe saiu da longa fila (hehehehe) quase infartou quando o Corinthians virou o jogo e dependia de apenas mais um gol para tirar o título do Santos. Saiu de casa feito um louco e ficou rodando a cidade de carro, carregando a pobre namorada – hoje esposa. Ao ouvir fogos pelo empate, jurou que o gol era do Timão e só depois que a namorada insistiu, ligou o rádio. Não resistiu, voou para a Imigrantes para seguir o ônibus do time até a baixada.
Antes do jogo, ele sutilmente expulsou eu e meu noivo na época – hoje marido – ambos corinthianos de casa: Sabe como é, corinthiano dá azar.. Vez ou outra afirma categoricamente que sua missão na Terra é torcer contra o time do Parque Sâo Jorge!
E tinha também meu avô paterno. Sãopaulino doente, não perdia um jogo do seu ou de qualquer outro time. Adorava futebol e passava horas grudado no radinho e na frente da Tv para ver todos os programas esportivos. Caso jogassem São Raimundo e Vila Socó, para ele seria imperdível! Isso trouxe alguns probleminhas com minha vó e após insistentes pedidos, ele finalmente comprou um segundo aparelho de tv para que a coitada pudesse ver suas novelas e o Silvio Santos em paz.
No fim de sua vida, teve uma doença que tirou gradativamente sua lucidez e e para nós foi muito triste ver a indiferença com que passou a tratar o tema, pois simbolizava claramente o quanto ele estava fora do mundo. Durante seu velório, em 28 de dezembro de 1998, acontecia a final da Copa do Brasil daquele ano, e ao ouvir os rojões que comemoravam a vitória do Palmeiras pareceu uma estranha coincidência soando como homenagem a quem tanto apreciou o esporte mais popular do País. Acho que foi a primeira partida que ele acompanhou após anos de apatia…
Cresci no meio destes doidos e também tive momentos insanos. Entendo tecnicamente um pouco…sei diferenciar impedimento de escanteio e prefiro programas esportivos a femininos . Acabei corinthiana, por incrível que pareça, uma ovelha alvinegra!!! Tento ser controlada – já tive episódios impublicáveis – mas confesso que é difícil. Afinal, quem sai aos seus, não degenera – ou só degenera. No rebaixamento, chorei e achei que o mundo ia acabar. Na recente desgraçada final da Copa do Brasil, para não surtar, tive que me distrair arrumando os armários…   
Meu marido, embora sem o DNA degenerado como o meu, também é maloqueiro e sofredor. Aliás, o Timão faz parte de nossa história. Nosso primeiro contato mais próximo foi para assistir um jogo do Corinthians na casa de uma amiga. Logo no início de namoro marcamos um encontro: domingo, no Morumbi, para assistir Corinthians e Portuguesa. Ele é todo poderos timão, filho de espanhol só podia dar nisto – mas a convivência é pacífica na família, embora ele odeie cada vez mais o Santos !!!
A lista de atos dramaticamente engraçados provocados pela paixão já presenciados é infinita e mereceria na verdade um livro. Amigo que faz o sinal da cruz ao passar em frente ao Parque São Jorge; outro que, em seu casamento, na hora do brinde, pediu a palavra para fazer uma prece e soltou solenemente: Salve o Corinthians, o campeão dos campeões. Eternamente dentro de nossos corações. E sem esquecer o vizinho corinthiano que quando adolescente chutava o carro verde de seu pai, o símbolo do inimigo. Ou ainda o padrinho de batismo que ao encontrar no mercado o juiz que prejudicou o time em uma final de campeonato, foi tirar satisfações.  

Essas histórias são comuns e aposto que a maioria de nós já presenciou alguma insanidade parecida. Porque o futebol está arraigado em nossa cultura, despertando em vários lugares do mundo, uma paixão dificil de explicar. Acho que já está no inconsiente coletivo. Passa de pai para filho e tem boas e más consequências. Basta lembrar de tantas vidas acabadas por estupidez, apenas porque não defendiam a mesma bandeira.
Para o torcedor, não adianta apelar para o racional e pensar que é apenas mais um esporte e que, ganhando ou perdendo, suas vidas continuarão como sempre. Soa como consolo simplista para torcedor derrotado na segunda-feira.
E entre tantas histórias, uma cena em especial nunca me saiu da memória.
Seu João é um simpático e sorridente zelador do prédio de uns amigos. Na final da Copa de 1998, entre Brasil e França, eu e meu marido assistíamos a final com eles, quando passados mais de 30 minutos do segundo tempo, com 2 x 0 para a França, decidimos ir embora para evitar a confusão que prometia se formar após a derrota inevitável. Descemos calados, embora sinceramente eu não torça para a seleção brasileira por diversos motivos, e na portaria encontramos seu João chorando.
– Não esquenta seu João, na próxima a gente leva – profetizou meu marido. Mas não adiantou muito. Foi um cena triste que exemplificou exatamente o que significa uma simples partida de futebol.
Talvez, daqui há milhares de anos, as pessoas se perguntem por que durante os séculos XX e XXI e quem sabe quantos mais, multidões se reuniam em grandes arenas gramadas, grupos se aglomeravam nas ruas e em suas casas para assistir 22 homens correndo atrás de uma bola, tentando encaixá-la em três estacas de madeira rodeadas por uma rede. E o fato de uma parte torcer para um bando e outra para outro bando seja explicado por exames minuciosos em telas de plasma nos restos mortais dos crânios de fósseis deste período. E as crianças aprendam, assim como hoje estudamos hábitos de civilizações perdidas, que era motivo de grande orgulho ser um destes homens e que isto se tornou uma das poucas possibilidades de mobilidade social extrema nesta remota civilização.

Vai saber.

Anúncios

2 Comentários so far
Deixe um comentário

Amiga, entendo perfeitamente o que passa com essa paixão toda por futebol desse seu lado! Meu avô era palmeirense roxo, desses que passava mal em época de decisão! Já eu, só fui me decidir aos 20, onde não mais virei casaca e decidi torcer pelo TIMÃO (EÔ!). Bom é que agora torcemos meu noivo e eu! Nessa época atrás de decisão, ele também não ficava muito bem, não! Se o Corinthians ganhasse, não dormia de euforia. Se perdesse, não domia de trsiteza! Até que dei um chacoalhão, do tipo: “relaxa que te quero vivo pro casamento, por favor? Obrigada!” HAHAHA!

A questão é que o brasileiro é um povo sofrido, em grande parte. E qual a distração de todos esses trabalhadores que ralam o dia todo? O futebol! Uma das riquezas de nosso País! E quando a gente se apega, não tem jeito! Dá-lhe coração!

Quer dizer que você ainda vai publicar um livro? Morro de vontade de fazer o mesmo!

Um beijo, querida!

Comentário por Mi

Nova casa. Já acrescentei lá. Não quero me perder da minha nova amiga via blogs… rsrsrsrs
Isso aí da cultura através do tempo é interessante mesmo. As coisas mudam a cada momento, porém lentamente e por isso não percebemos assim rapidamente (na maioria das vezes)… com certeza para gerações futuras muita coisa (como o fanatismo pelo futebol) pode ser incompreensível… e ainda hoje eu mesma não compreendo muito bem essa filosofia… rs rs rs rs rs…
Cheiro grande.

Comentário por Dora




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: